Pesquise neste blog

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Quando nossos instintos começam a falar alto para nós: "Você tem que sobreviver", "Você tem que modificar sua vida"



Depois do diagnostico, não existe mais a possibilidade de nos enganarmos, a certeza de que somos mortais bate em nossa porta sem a menor cerimônia... 


Nossos instintos começam então a falar... Temos que sobreviver, entendemos que precisamos mais do que sobreviver queremos mais qualidade nessa sobrevivência, então tenho que por a “mão na massa”, não existe alternativa, o medico, o psicólogo, nossa família  nossos amigos, não podem por mais que queiram modificar a forma como vivemos, essa tarefa é nossa apenas nossa.


Está absolutamente claro para nós que o nosso modo de vida, até agora não funcionou muito bem... Uma vida de vícios, de muita comida gordurosa, muita carne vermelha, muito doce (pareço mais uma formiga), muita raiva, rancor, um casamento violento que mesmo depois de acabado há quinze anos eu ainda o carrego dentro de mim... A morte do meu filho que não consigo processar racionalmente até hoje...


Tudo isso contribuiu para que eu acordasse o câncer dentro de mim. Isso ficou muito claro em minha cabeça, na primeira consulta que tive com o oncologista, ele não me conhecia, mas foi taxativo ao me dizer que o câncer é hereditário, mas que alguma coisa que me levou a um estresse muito grande a uns três anos, fez com que ele se desenvolvesse de uma forma muito rápida e agressiva. 


Há mais de cinco anos meu filho morreu... Minha vida foi totalmente virada de cabeça para baixo, a roda da vida começou a girar ao contrario, não esperamos nem contamos enterrar um filho...


Mas voltando ao meu diagnostico, pensando em tudo isso percebi o quanto nós seres humanos somos indisciplinados e displicente com nossa maquina (nosso corpo, é nossa maquina), mas se quisermos sair dessa vamos ter que aprender disciplina... 


Vamos ter que nos levar mais a serio... A cumprir com os compromissos que fazemos conosco. Precisamos aprender a sermos gentis e firmes conosco... 


E assim um dia de cada vez vamos aprendendo a transformar a nossa vida, a modificar nossos hábitos, a amar quem sempre desejamos amar, a sorrir para o milagre que é está aqui nesse mundo agora. 


Afinal a vida é um eterno aprendizado...


Ninguém pode prever o curso de um câncer com precisão. Já que o câncer é uma doença muito desconcertante. A relação entre a resistência somática e a progressão da doença, mesmo do ponto de vista puramente oncológico, continua sendo muito difícil de elucidar.

O confronto com a doença é uma árdua aventura interior...  Queremos lutar contra a fatalidade, é criar para nós todas as condições para nos posicionarmos da melhor forma possível diante das estatísticas.



Todos nós já ouvimos falar de curas milagrosas, de pessoas que não tinham mais do que alguns meses de vida e que, no entanto sobreviveram anos, até décadas...

Quando fiquei sabendo que tinha um tumor no cólon intestinal, mergulhei de um dia para o outro em um mundo que me parecia outro mundo, que eu ignorava tudo: o mundo dos doentes.

É um mundo onde somos tratados como quase mortos, meus vizinhos e amigos não conseguem entender o fato de que eu esteja saudável, que cuide do meu jardim, que eu faça as coisas aqui em casa, enfim que leve uma vida normal, apesar de está fazendo quimioterapia... Parece que as pessoas acreditam que por ter um diagnostico de câncer eu deva me deitar e esperar a morte chegar...

Eu posso esperar a morte sim, todos nós podemos, mas posso e vou fazê-lo fazendo o que gosto, o que me do prazer, mudando minha vida, e aumentando minha qualidade de vida.

Todos nós temos necessidade de nos sentir úteis aos outros. É um alimento indispensável á alma, cuja falta faz nascer uma dor que será ainda mais dilacerante se a morte estiver se aproximando.

Grande parte do que chamamos de medo da morte vem do medo de que nossa vida não tenha tido sentido, de que tenhamos vivido em vão, de que nossa existência não tenha feito diferença para nada nem para ninguém.


Tenho pensado muito, sobre modificar o modo como vejo a vida, o mundo que me rodeiam, as situações boas ou não que ocorrem em minha vida. Tudo o que vivemos, que vemos, é Consequência.


Tudo tem sua origem em nossos atos, em nossas decisões, sejam elas conscientes ou não, sejam elas tomadas de livre e espontânea vontade, ou mesmo quando decidimos não decidirmos, o que infelizmente é a maioria dos casos, e nesse caso a decisão está tomado.

Há algo “no ar”...
 
Então vamos olhar  as causas e vamos através de nossa consciência e com nossas armas espirituais, e mentais combater este mal.
 
Que sejamos sempre abençoados!

O nosso mundo caótico é o resultado do que acontece dentro de nós, de como estamos...
Nós Somos a Causa!


Então está em cada um de nós buscarmos a reorganização!
Somos energia, e nossa energia está Desorganizada. – Resultado de nossas atitudes, pensamentos, emoções, que se refletem na forma de sermos, comermos, agirmos...
Aqui está a causa das doenças... Principalmente o câncer.


Sei que a mudança de rumo em nossa caminhada não é simples de empreender, mas estamos aqui para isso... Aprender, cair e sabermos nos levantar para começarmos de novo. Então vamos?
Seu comentário é importante para meu trabalho, deixe-o aqui.
Muito obrigado!
Fátima Jacinto
Postar um comentário
Custom Search