Pesquise neste blog

segunda-feira, 5 de maio de 2014

O medo nos faz pensarmos e agirmos sem clareza - E assim antecipamos a construção do nosso fracasso.


Quando pensamos sem clareza, falamos sem clareza e agimos sem clareza, é isso que o medo nos faz. O medo nos faz ter justificativas como: “eu tentei...”, ou “eu vou tentar...”, que são condições nas quais queremos evitar a responsabilidade, é pré-desculpas. “Talvez eu consiga, talvez não!” 

Se pensarmos objetivamente, tentar é uma situação inexistente, ou fazemos uma coisa, ou não fazemos, e para ambos temos nossas razões. 

Quando usamos a estratégia de “tentar”, é relativamente bastante comum para não agirmos e ainda encobrirmos decisões mal tomadas. Fazemos isso quando queremos nos negar diante de um desafio, porque tememos as consequências da transparência, então nós simplesmente dizemos que vamos “tentar”. Com isso antecipamos a construção do nosso fracasso, e assim, tentaremos sempre, mas nunca realizaremos de fato. É dessa maneira que furtamos nossa própria confiança e energia necessárias para agir com sucesso. 

Pense no que você dedica a maior parte do tempo em sua semana, é isso a coisa mais importante para você, quer você esteja ou não disposto a admitir. A falta de tempo nos deixa sem liberdade, de escolha e assim deixamos de existir, porque nos entregamos a pressão contra o relógio que é apenas fruto de uma de nossas opções pessoais. E assim ficamos também com muito poucas opções para dizer “Não”. Mas tudo isso nós encobrimos e levamos como segredo.

Nossa melhor desculpa é sempre os outros. Os outros estão depositando todas as suas esperanças possíveis em mim, os outros são, nosso companheiro, nossos filhos, nossos colegas de trabalho, nosso chefe, nossos amigos, a sociedade. 

Esquecemo-nos que quando nos tornamos adultos podemos romper com todas as normas e valores que os outros nos impõe como obrigatórios. E entenda, por favor, que as expectativas dos outros não têm nada a ver com o que somos. 

Expectativas são preconceitos, os outros – não importam quem sejam – tiveram, no passado, certas experiências que consideraram bem-sucedidas, fundamentadas e aplicáveis, e agora esperam que nós nos orientemos pelas mesmas experiências. Infelizmente na maioria das vezes nós  nos comportamos de acordo com essas expectativas sem perguntar o preço que vamos pagar, é isso que acontece com muitas mulheres que hoje vivem um relacionamento abusivo e violento, elas os vivem porque é isso o que a sociedade, a família esperam delas, colocando em segundo plano as próprias necessidades de qualidade de vida, muitas vezes até recusando ajuda de fora, nem se dando o simples prazer de saírem de casa para fazerem algo que gostam as vezes. 

E muitas vezes quando conseguem romper esse difícil vinculo começam a explorarem a si mesmas até á renuncia própria pára cumprir e merecer o papel de provedoras é para isso que cuidam do jardim, da limpeza da casa, e de manter a dispensa sempre abastecida, e os filhos bem cuidados e criados, por acharem que são responsáveis sozinhas por todas essas obrigações. 

Esquecemos que podemos fazer isso ou deixar de fazer aquilo, que somos responsáveis por todas as nossas possibilidades. O que precisamos é nos decidir conscientemente e agir não conforme as expectativas dos outros mas as suas necessidades e expectativas. 

Quando muitas vezes internalizamos tanto as expectativas dos outros que as aceitamos como se fossem nossas, como é caso de acharmos que o que nossos vizinhos vão achar tem uma importância fundamental em nossa vida e da nossa família, estamos na realidade distribuindo aos outros todo o nosso direito sagrado de livre escolha. 

Por favor entenda isso: “você não está no mundo para corresponder ás expectativas dos outros.” Mas todos tem o direito de colocar sobre você as expectativas que desejarem e cobrar os comportamentos que acreditam que você deva ter. Mas quem decide é sempre você. A Escolha e a responsabilidade por essa escolha é sempre nossa.

Seu comentário é importante para meu trabalho, por favor, deixe o aqui.
Muito obrigado!
Fátima Jacinto

 
Postar um comentário
Custom Search